Riscos da agricultura: como manter a sustentabilidade do agronegócio

A gestão de riscos é um tema fundamental para quem trabalha e produz no agronegócio brasileiro. Toda a atividade humana está sujeita a riscos e, com a agrícola, não é diferente. Uma maneira simples de investir nesse aspecto em sua propriedade rural, é entender como a gestão funciona e conhecer as maneiras de aplicá-la em sua propriedade.

A atividade agrícola envolve fatores que são altamente arriscados e, por isso, devem ser uma preocupação de todos envolvidos no agronegócio: produtores, consultores técnicos, distribuidores e outros.  Entre eles estão:

Por ser um setor que opera predominantemente a céu aberto, a dependência dos riscos climáticos é uma das maiores na agricultura. A maioria dos riscos nem sempre podem ser evitados, pois são atrelados à atividade. Mas, podem ser mitigados.

É para este fim que existe a GESTÃO DE RISCOS: estudar as atividades e ações que podem prevenir ameaças ou diminuir seus impactos caso se concretizem. O estudo começa no mapeamento dos tipos de riscos envolvidos na atividade agrícola. Podemos citar:

Riscos ligados à produtividade:

Consideramos essa categoria quando o clima adverso prejudica a safra, mesmo que o produtor tenha feito tudo corretamente no manejo. São eles:

Riscos ligados ao preço:

Como a cadeia do agronegócio tem um papel grande na economia brasileira e mundial, as oscilações de preços dos commodities ou insumos, de armazenamento e de transporte podem trazer perdas ao produtor, como nos casos abaixo:

A gestão de riscos pode conter essas situações através da mitigação. É importante lembrar que a administração dos riscos não existe apenas para quando tudo dá errado. Uma gestão bem feita também é mais do que útil quando tudo vai bem na produção.

E, se o produtor rural e sua lavoura estão seguros, toda a cadeia produtiva do agronegócio se mantém sustentável. O produtor é a peça central neste ciclo, pois ele adquire insumos, sementes, adubo, máquinas, defensivos e tudo que for necessário para que sua lavoura apresente resultados satisfatórios, movimentando a indústria que cerca uma produção agrícola.

Depois, essa produção é enviada para o mercado e abastece uma grande parte da população, seja com alimentos ou com derivados para a fabricação de outros produtos. Entretanto, uma parte desta produção é voltada para a indústria, em forma de pagamento, totalizando o ciclo e mantendo o agronegócio estável.

Portanto, é preciso que a gestão de riscos atue na manutenção da sustentabilidade econômica do agronegócio, se valendo de algumas estratégias. Entre elas, podemos citar:

ANTES DO RISCO

Estratégias para combater e reduzir os riscos como cuidados com o solo ou com a matéria orgânica, janelas de plantio, plantio escalonado, mais conhecimento e melhor manejo da lavoura, sementes mais resistentes ao clima adverso e estruturas de irrigação que combatem riscos de estiagem.

DEPOIS DO RISCO

Estratégias para amenizar o impacto da perda como plantio de duas ou até três safras no mesmo ano, diversificação de culturas e áreas de plantio, seguro agrícola, venda antecipada, entre outras.

Quer entender mais sobre essas ações e sobre os impactos que uma gestão de riscos bem realizada tem no seu agronegócio?

O especialista no assunto e Presidente da Markel Seguros do Brasil, Leonardo Paixão, irá ministrar uma palestra GRATUITA na 54ª ExpoAgro, em Dourados (MS).

Faça já a sua inscrição: